quarta-feira, 28 de agosto de 2013

O Ponto Fixo


Deitado no chão
Reparo num ponto escuro no tecto
Fixo o meu olhar no ponto
Passado pouco tempo
O ponto parece estar em movimento
Parado, no mesmo sítio
Passo a língua nos dentes
Sinto as falhas
Alguém as fez
Passo com a mão direita na cicatriz
Passo com a mão esquerda na outra cicatriz
E penso em quem as fez
Onde estarão? Serão felizes?
Da vida deles em mim deixaram as cicatrizes
E o ponto fixo parado vai mexendo

Bernardo dos Santos Morgado

6 comentários:

  1. Alguém te deu porrada...?
    Um poema interessante, que talvez não tenha uma interpretação tão óbvia como parece...
    Um abraço, caro amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Levei mesmo porrada ahaha, obrigado Nilson.
      Um abraço

      Eliminar
  2. está muito bom pt! eu entendo perfeitamente, e vais ganhar o camões, acredita!

    ResponderEliminar